Arquivo da tag: crise

Suécia, uma nota

(Imagem: Ricardo Carioba)
Um amigo sueco me contou uma história que ilustra bem a crise dos jornais impressos no mundo.

O Helsingborgs Dagblad, HD, quinto jornal da Suécia, decidiu entregar exemplares grátis nas casas de não-assinantes. A campanha promocional começou numa segunda-feira pela manhã e foi suspensa na seqüência. Motivo: centenas de pessoas ligaram para o jornal reclamando que haviam recebido uma massa de papel às suas portas – e que não queriam a  obrigação de levar o material para a reciclagem.

Parece haver mais nessa crise dos jornais do que a mera concorrência com a Internet….

E isto me lembrou uma informação que li no livro O Reino e o Poder – Uma História do New York Times, do jornalista e escritor americano Gay Talese. Ele conta que em 1967 (eram tempos áureos) a edição dominical do New York Times pesava entre 2 e 3 quilos, com tiragem de 1,6 milhão de exemplares. (na pagina 453)
Ou seja: em apenas um domingo, o NTY poderia circular nada menos do que 4.800 toneladas de papel.
De arrepiar qualquer sueco!

Deixe um comentário

Arquivado em Internet, Uncategorized

Imprensa na berlinda

 

1698529660_3693d10978_m

Imagem: Yumi shimada/ym 

Para quem se interessa pelo estado atual da imprensa no mundo, recomendo o artigo da jornalista Argentina Inês Haya, publicado no blog ODiario.Info (que tem entre seus editores o experiente jornalista e escritor Miguel Urbano Rodrigues).

Ela traz uma lista de diversos jornais que faliram – ou estão em sérias dificuldades – nos Estados Unidos, mas também Espanha e Argentina.

Para se ter uma idéia:

O grupo que edita o El Pais (principal jornal espanhol) perdeu 95% de seu valor de bolsa – uma ação vale menos do que um exemplar do jornal; seu concorrente, o El Mundo, também enfrenta problemas financeiros graves.

Em março Seattle amanheceu sem um dos seus principais diários, o The Post Intelligencer (que faliu após 146 anos); no final de 2008 a Tribune Company, segundo grupo midiático dos EUA (proprietário do The Baltimore Sun) foi a nocaute; ainda nos EUA, a Gannett Company – proprietária de 85 diários – eliminou mais de 8 mil postos de trabalho entre 2007 e 2008.

A lista continua e é longa: a empresa que publica o USA Today (diário de maior circulação no EUA) demitiu mil trabalhadores em agosto de 2008; em janeiro de 2009 faliu o The Star Tribune de Minneapolis; na Argentina o grupo La Nación fechou uma revista e começa a demitir.

O que há de comum nesses casos? A jornalista enumera: diminuição de anunciantes, queda das ações, das vendas e leitores.

Por enquanto a estratégia parece ser migrar para o “online” e cobrar pelo conteúdo.

Recentemente a The Economist também trouxe um artigo a respeito do assunto (lembrando que na Inglaterra 70 jornais locais faliram em 2008 e que São Francisco, na Califórnia, pode ser a primeira das grandes cidades americanas a ficar sem um jornal de circulação diária…).

Deixe um comentário

Arquivado em Mídia

New York Times pede a leitores que mandem fotos que retratem crise

Boa dica que peguei no blog Desculpe a Poeira:
Os leitores do New York Times, a pedido do jornal, estão mandando fotos que retratem os tempos atuais de recessão em suas comunidades. Boa idéia. Veja aqui. E mande a sua, se quiser.
Vale a pena dar uma passeada; as fotos estão acompanhadas por pequenos textos.

1 comentário

Arquivado em Internet, Mídia

Slate: Youtube terá perdas de US$ 470 mi em 2009

090414_tech_youtube

A Slate Magazine reproduz um artigo de Farhad Manjoo com um dado para ficar de olho: o Google perderá este ano US$ 470 milhões com o Youtube. A fonte da informação é uma companhia de investimentos chamada Credit Suisse. Motivo: os custos de estocar e distribuir o conteúdo são superiores ao que se consegue com publicidade.

 De acordo com a Slate, apenas 10% das páginas do Youtube têm anúncios; para a publicação, os  “anunciantes não se mostram dispostos a patrocinar vídeos e fotos caseiras”.

Aparentemente, os bilhões de acessos/ano ao Youtube não se transformaram em cifrões.

Deixe um comentário

Arquivado em Internet, Mídia

The Economist pergunta: ricos devem pagar mais impostos?

3311333042_5687ff4ca6_m

Imagem: The Croopier 

O site da revista The Economist está com uma enquete interessante. A pergunta é: os ricos deveriam pagar mais impostos para reduzir as desigualdades sociais? A votação online – que por ora segue empatada – vai até o dia 17 de abril (para votar é necessário fazer cadastro).

Vale a pena dar uma olhada nos vários artigos de opinião à disposição na página (contra e a favor, em inglês) – iluminam um debate atual.

Em sua versão impressa, a revista lembrou, recentemente, que aumentou a diferença de renda nos EUA nos últimos 30 anos: em 1979, 0,1% dos americanos mais ricos tinham renda 20 vezes superior à dos 90% mais pobres; em 2006, essa diferença pulara para 77 vezes (fruto, diz a revista, entre outros, da “financeirização” da riqueza – ou, nas minhas palavras, do milagre da reprodução de derivativos). Este fator – bem como a recente crise, cuja conta produzida por financistas (ricos) é paga pelos contribuintes – alimentaram, sugere a revista, o ressentimento contra os “ricos” de modo geral.

Enfim, um bom debate.

Deixe um comentário

Arquivado em Economia

The Economist: desemprego pode gerar crises políticas

A  Economist Intelligence Unit (EIU, um braço de análises da revista britânica The Economist) desenvolveu um Índice de Instabilidade Política.

De acordo com o Índice de 2009, 95 países ao redor do mundo estão em uma zona de “alto risco” de instabilidade política, principalmente na África– em 2007 eram 35 países.

Segundo a The Economist, o desemprego causado pela crise financeira, está no “coração” da instabilidade política (entendida como “situações que ameaçam governos ou a ordem política existente”).

Neste ranking o Brasil encontra-se sob risco “moderado” de instabilidade.

Veja aqui um resumo em inglês. Abaixo, um mapa com os resultados.

political

Deixe um comentário

Arquivado em Política Internacional

Gastos militares dos EUA chegam a US$ 578 bi

63235121_c54489ebe4_m
Imagem: Gadjo Dilo 

Os gastos militares dos Estados Unidos chegaram, em 2007, a incríveis US$ 578 bilhões. A cifra cresce ano-a-ano desde 1998 (quando foram gastos US$ 274 bilhões). As informações são do site do Stockholm International Peace Research Institute.

Será interessante acompanhar se, com a crise financeira, estes gastos serão reduzidos – ou se, pelo contrário, a indústria bélica servirá de motor econômico para a recuperação.

Mas o fato é que do ponto de vista militar não há comparação possível.

Se somarmos o que gastaram em 2007 países como China (US$ 58 bi) e Rússia (US$ 35 bi) – ambos países não-alinhados –, mal chega-se a um quinto da verba americana.

Aliás, em segundo lugar no ranking, vem um aliado histórico dos EUA, a Inglaterra (US$ 59 bi).

Já o Irã – visto como “ameaça” – gastou US$ 6,5 bi, ou cerca de 1% do total gasto pelos EUA (no Brasil foram US$ 15 bi).

Para pesquisar, clique aqui e selecione o país (consulta fácil; dados de 165 nações disponíveis).

1 comentário

Arquivado em Política Internacional

Empresas “ícone” nos EUA valem (bem) menos

Uma tabela publicada recentemente pelo Washington Post dá uma idéia de quanto caíram os valores de empresas “ícone” nos Estados Unidos. A GM vale hoje no mercado 92% menos do que em 2007; GE, 81% menos; Citigroup, 96% menos; J.P. Morgan Chase, 57% menos.

Deixe um comentário

Arquivado em Economia

Emprego, Internet, McDonalds — o que dizem as pesquisas?

Uma pesquisa do Pew Research Center for the People & the Press mostrou que para 42% dos americanos o emprego é o principal problema econômico do país (foram entrevistadas 1303 pessoas); em julho do ano passado este índice era de 13%. Os tempos estão bicudos: 44% acreditam que passarão a ganhar menos em breve.

Freqüentemente citado pela revista The Economist, o Pew Research Center tem um site que é um prato cheio para quem gosta de pesquisas & números. Há de tudo. Alguns exemplos:

Uma pesquisa mostrou que entre jovens americanos (menos de 30 anos) a Internet já é o principal meio de obtenção de notícias (para 59% dos entrevistados), empatando com TV; já os jornais impressos estão em baixa: 40% dos americanos adultos (todas as faixas estarias) afirmam pegar notícias na Internet contra 35% nos jornais.

Outra pesquisa perguntou: você gostaria de morar em um lugar com mais McDonalds ou mais Starbucks (rede de cafés)? Homens, que se definem como conservadores e têm renda mais baixa preferem Mc Donalds; mulheres, com perfil liberal, vão de Starbucks.

1111-front

 

1 comentário

Arquivado em Mídia

Pausa para um haikai

2383121506_4e69176dd9_m

Imagem: f/508
Haikai duplo para momentos de crise, por Rogério Jordão:
A ordem se desfaz
Para fazer-se, de novo
Ali adiante

A ordem reordena-se
Para ordenar
A ordem

E para quem gosta do gênero, um site com mais de 1400 haikais

Deixe um comentário

Arquivado em Cultura