Arquivo da tag: comércio

Comentários sobre a China

Recentemente almocei, a trabalho para a BBC, com um empresário chinês. A China é atualmente a maior parceira comercial do Brasil (vendemos minério de ferro, soja, entre outros bens, e compramos aço, manufaturados etc).
Na avaliação deste empresário, cuja família se dividiu em 1949, parte ficando na China (e prosperando após as reformas econômicas de Deng Xiaoping) e parte fugindo (como no caso dele), o Brasil receberá investimentos maciços chineses nos próximos anos. Com muitas reservas financeiras, a China agora quer realizar o capital. “O Brasil tem sérios problemas de transporte, não tem ferrovias, e gargalos nos portos. Já os chineses têm o dinheiro”, resumiu.
E ele fez uma observação interessante sobre política internacional. Os EUA têm poderio militar mas também sérios desequilíbrios econômico-financeiros. Isto significa, segundo ele, que para viabilizar suas próximas guerras, os americanos terão que negociar com os chineses os aspectos financeiros da empreitada.
É o mundo pós-pós-Guerra Fria.

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Política Internacional

Uma tonelada de minério de ferro ou um par de tênis?

2766798797_c5efd4d5de_m1

A revista Desafios do Desenvolvimento, do Ipea, de julho, traz uma informação curiosa.

A publicação diz que uma tonelada de minério de ferro é vendida no mercado internacional por US$ 60, “valor insuficiente para importar um par de tênis de marca”.

O paralelo é revelador, haja visto que 43% das exportações brasileiras em 2008 foram exatamente de “commodities” (como minério de ferro e soja). Segundo a revista, dos produtos exportados pelo Brasil, apenas 6,8% são de “alta tecnologia”.

O Ipea lembra ainda que desde abril de 2009 a China se tornou o principal parceiro comercial do Brasil. Só que: “Hoje, as matérias-primas – soja e minério de ferro – concentram mais de três quartos das vendas brasileiras (para a China), enquanto as importações (daquele país) são basicamente de produtos manufaturados com maior valor agregado”.

O Ipea advoga que o caminho é investir em pesquisa & desenvolvimento para diversificar esta pauta de exportações. Segundo a revista, “metade de tudo o que as empresas da Europa e Estados Unidos investem em pesquisa e desenvolvimento é financiada pelos respectivos governos. No Brasil, o governo entra com apenas 5%”.

Taí uma boa pauta para 2010…quem terá, de fato, esta visão de país?

6 Comentários

Arquivado em Economia