Arquivo da tag: campanhas

Pensando alto sobre o racismo


Imagem: Cris Bierrenbach
Sou branco ibero-descendente. Cheguei a esta fórmula caminhando pelo Aterro do Flamengo alguns anos atrás e pensando a respeito de uma campanha contra o racismo, da qual participei como assessor de imprensa contratado, no Rio de Janeiro. Nunca tinha parado para refletir sobre essa coisa do racismo até aquele momento. O fiz por obrigação profissional.
Então, o que poderia eu falar sobre o racismo?  O que aquilo tinha a ver comigo, afinal de contas? Jamais sofri, até onde lembro, qualquer tipo de preconceito por causa de minha cor de pele. Nunca me abordaram na rua, nem na porta de um restaurante ou hall de hotel. Já fui parado pela polícia, mas como motorista de um carro velho, nunca pela minha aparência. Jamais alguém comentou: lá vai o branco ibero-descendente! (“magrão” foi o apelido mais próximo associado a minhas características físicas que já tive, mas isto entre peladeiros de rua dezenas de anos atrás).
Como poderia contribuir? Afinal havia sido contratado como jornalista exatamente para isto, para ter ideias de comunicação. O diferencial da iniciativa é que a campanha teria como público-alvo os brancos. O “conceito” (toda campanha publicitária tem um) era o de que as pessoas precisavam, em primeiro lugar, admitir seu próprio preconceito, para depois livrar-se dele. Se minha missão era comunicar isto de alguma forma, bem, então melhor começar comigo mesmo para ver no que ia dar.
Já escreveu Carlos Drummond de Andrade, certa vez, que caminhar é ótimo para colocar as ideias no lugar. Neste caso, funcionou, pelo menos em parte.
Suando na orla carioca, primeiro me perguntei se fazia algum sentido considerarmos o “negro” como fonte suficiente de identidade. Se eu nunca tinha pensado em mim mesmo como “branco” como fator de identidade, por que cargas d´água um “negro” o faria? E se assim fosse, bem, então onde colocar esse negócio de racismo?
Para começar, a classificação “branco” me pareceu pouco convincente, abrangente demais. Ok, sou branco, mas muito diferente em aspecto físico do Henrik, meu amigo sueco com quem tomo chopp de vez em quando. Ele é loiro de olhos azuis e tem a pele quase vermelha. Não tenho nada a ver com seu fenótipo. Sou branco, mas diferente dos nórdicos, e, por tabela, dos germânicos, dos anglo-saxões, dos eslavos e assim por diante.
E foi então que tentei outro caminho, me perguntando de onde vim. Do meu avô para cima (todos estão no céu), são, até onde sei, portugueses ou brasileiros mas com antepassados lusitanos. Em Os Lusíadas o primeiro nome próprio que aparece é exatamente o de um Pacheco (ou Jordão, agora não me recordo).
No exercício forçado de auto-definição – e transpirando na pista do Aterro —  cheguei portanto a “branco ibérico”, o que me distinguiria, por exemplo, dos ingleses, alemães, russos e suecos. E me aproximaria de algum modo dos latinos, dos espanhóis, franceses e italianos. Mas como não sou de fato português, mas brasileiro, a definição ficaria falha. Então veio o “descendente”, completando a fórmula que abriu este pequeno ensaio.
A pergunta seguinte foi um inevitável: e daí?
E daí raciocinei que esta minha auto-definição teria algum significado real e concreto apenas se me fosse extremamente útil ou se, por circunstâncias, outros grupos me obrigassem a me sentir como um “branco ibero-descendente”, mesmo que à minha revelia. Mas como seria isto, se eu passasse a ser visto, antes de tudo, como um branco ibero-descendente?
Andando na rua, alguém gritaria, “e aí ibero!”. Possivelmente me sentiria mais à vontade em bares freqüentados também por “iberos”. Músicas, comidas, me lembrariam de que sou “íbero”. Talvez muita gente, de fato, não gostasse dos “iberos” – nosso cheiro seria diferente do dos outros, vai saber.
Viajando nestas conjecturas já deixara o Aterro para trás e subira a Rua Paissandu no Flamengo, a algumas dezenas de metros de casa. Desacelerei o passo, pois a caminhada ajuda na elaboração das ideias, mas é preciso concluí-las minimamente antes de chegarmos ao nosso destino — e ainda não tinha costurado os pensamentos totalmente (se é que vou conseguir até as últimas linhas que restam deste artigo).
Ok, branco ibero-descendente; mas isto não faz sentido na minha vida cotidiana — e basicamente porque ninguém me obriga a lembrar que sou ibero-descendente. E isto na verdade é um alívio. E se não me enxergam deste modo, bem então não há conceitos preconcebidos a meu respeito, não no que diz respeito ao meu fenótipo. Ou seja: por não receber este tipo de preconceito, eu não preciso me identificar de acordo com minha cor de pele ou descendência, ou ambos.
Colocado de outra forma: nossa identidade talvez seja, em certa medida, forjada de fora para dentro, e quando nos sentimos obrigados a incorporar esta identidade (mesmo que à nossa revelia), bem então possamos estar falando de preconceito (de pele, de hábitos, de preferências etc). E muitas vezes esse tipo de atitude quando associada à cor de pele ganha o nome de racismo.
A caminhada rendeu frutos. Certamente não cheguei a conclusões brilhantes mas consegui me aproximar de um tema instigante. E hoje me classifico como um branco ibero-descendente, embora não saiba exatamente a serventia disso.

Em tempo: aqui segue o site da campanha contra o racismo citada no texto.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Cidadania, Cultura

22 de setembro, o dia sem carro

cones-sinking

Vem aí o dia mundial sem carro (22 de setembro).

Para saber mais sobre a iniciativa (que, ao que parece, surgiu na França em 1997), recomendo o site do Movimento Nossa São Paulo. O site traz dicas úteis e informações sobre o que acontece no dia 22, principalmente na capital paulista.

Para quem quer espalhar a ideia, aqui vão dicas de links, imagens, banners e blogs sobre o assunto.

E recentemente, um levantamento da International Road Federation (IRF) mostrou que o país mais motorizado do mundo é Luxemburgo: 647 carros para cada 1 mil habitantes.

Já no Brasil há 30 milhões de automóveis, o que dá uma média de 160 por mil habitantes, segundo números do Denatran de 2007.

Um terço desta frota (11 milhões de veículos) está no estado de São Paulo, onde são 275 carros para cada mil habitantes.

Não consegui números para a capital, mas não será um espanto se estes estiverem em patamares luxemburguianos…

1 comentário

Arquivado em Meio Ambiente

Campanha contra mudanças climáticas

 

logo_tic_tac_final

Está no ar uma iniciativa em defesa do meio ambiente que pretende realizar o maior abaixo-assinado de todos os tempos. Trata-se da campanha Tic-Tac-Tic-Tac (referência ao ponteiro de relógio) que organizações ambientais como WWF e Greenpeace já levam adiante em vários países – e que no Brasil ganhou impulso no último dia 29 de agosto, data que marcou 100 dias para a Conferência do Clima de Copenhague.

Para resumir: a ideia é entregar assinaturas colhidas eletronicamente para os líderes mundiais que estarão na Conferência, pedindo medidas concretas contra as mudanças no clima. Por aqui, a iniciativa ganhou o nome de:  Campanha Brasileira de Ações para a Proteção do Clima.

Para quem gosta de assinar petições, é uma boa, mas é necessário cadastrar-se; veja aqui.

2 Comentários

Arquivado em Meio Ambiente

Vem aí mais uma mobilização contra o aborto

blue-red-iren-tarvid

Imagem: Iren Tarvid 

Depois de sofrerem um revés midíatico com as desastradas declarações do arcebispo de Olinda e Recife, dom José Cardoso Sobrinho – que ao condenar o aborto legal feito em uma menina de 9 anos disse que este é mais grave do que o estupro (estabelecendo um absurdo parâmetro de comparação) — os grupos “pró vida” (contrários à legalização da interrupção da gravidez) preparam novas campanhas para este ano, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) julga o aborto em anencefalos.

E, das associações religiosas, não é apenas a Igreja Católica que milita contra o direito ao aborto; os espíritas também se mobilizam com afinco (já os pentecostais da Igreja Universal são, neste tópico, mais flexíveis).

O diretores do filme Bezerra de Menezes – O Diário de um Espírito,  os cearenses Halder Gomes e Glauber Filho,  finalizaram dois curtas “pró-vida”, a serem utilizados em campanha pelo país.

Lançado em 2008, o filme Bezerra de Menezes, de baixo orçamento e que conseguiu 500 mil espectadores no país, é um projeto da Associação Estação da Luz, instituto de cunho espiritista do Ceará. De acordo com seu produtor, Luis Eduardo Granjeiro Girão,  o longa-metragem foi dedicado às “crianças vitimas de aborto provocado”. A história de Bezerra de Menezes não fala em aborto, embora haja uma conclamação contra a prática no final do filme, em, quase, uma propaganda subliminar, quando o espectador é pego de supetão com a exibição de uma frase atribuída a Madre Teresa de Calcutá.

A turma contra o aborto mobiliza sua própria mídia (filmes e informações que veiculam via TVs e rádios que controlam), para uma polêmica em que, aparentemente, forças religiosas significativas encontram-se em sintonia.

Do outro lado, por enquanto, além dos movimentos de mulheres, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, vem desempenhando seu papel republicano, salvaguardando – pelo menos em suas reações na imprensa — o caráter laico do Estado brasileiro.

3 Comentários

Arquivado em Mulheres

Site colhe assinaturas pela Declaração Universal dos Direitos Humanos

1638669119_c3ff4e7c15_m

Imagem: Ken Cox

 

O site Every Human Has Rights estimula as pessoas a assinarem a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que completa hoje 60 anos, e disponibiliza banners.

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Cidadania